Quinta-feira, Maio 30, 2024

O parto do jacaré

Mais Falados

Guia Comercial

Marcelo Pirajá Sguassábia
Marcelo Pirajá Sguassábia
Redator publicitário há mais de 30 anos. Prêmios Colunistas, Profissionais do Ano, Prêmio Abril de Publicidade, Top Rac, MidiaFestival, Central de Outdoor, Festvídeo, Show-up Meio&Mensagem e outros.

– Job novo chegando, meu caro Jacques, Encomenda do René, o tenista. Aqui está dizendo para criar uma logomarca de um crocodilo estilizado, para uma grife de roupas de tênis.

– Nossa, que estranho. E vindo do Dr. René, um homem refinadíssimo, é mais estranho ainda. Crocodilo é animal selvagem, nada a ver com esse esporte.

– Claro. Tenistas formam uma elite, seria mais apropriado um vison, por exemplo. Isso se for mesmo o caso de escolher um bicho pra simbolizar a marca.

Era uma vez um crocodilo.

– Concordo contigo, Antoine. Ninguém vai usar isso. Imagina só, vão começar com aquela brincadeira maliciosa, de que jacaré se defende com o rabo. Fracasso retumbante, marca natimorta.

– Ainda bem que o cara é rico, porque vai perder dinheiro com essa roubada de botar jacaré estampando roupa. Só pode ser um surto psicótico, né? Passa uma coisa negativa, é um animal que engole gente. Não é amigável, não atrai.

– O que ele pretende? Vamos tentar entender o que se passa na cabeça do cara. Se fosse uma linha de jaquetões tipo safari, tudo bem. Adequação total. Mas um infeliz de um jacaré pra uma coleção urbana, e parisiense! A gente tem que alertar o Dr. René, não é possível, eu me recuso a prosseguir com este job.

– Mas espera um pouco. O que eu entendi a princípio é que era uniforme de tênis, e não roupa pra se usar normalmente…

– Então, a ideia do René é começar na quadra, ganhar visibilidade pra depois ir para as ruas. Ele está contando que a coisa será um sucesso estrondoso.

– Jesus amado! Olha, tenho uma ideia melhor – vamos ignorar o crocodilo. Eu trabalho uma opção com um panda e você faz uma chinchila, pode ser? A gente satisfaz o cliente usando um bicho, mas defende o fato de não poder ser um jacaré. Depois o negócio dá errado e ainda vão dizer que nós, especialistas em design, não alertamos. Não nos interessa a cumplicidade com um fracasso.

– Justamente. Não é porque o cliente manda que a gente tem que baixar a cabeça.

– Tô até vendo, ele vai chorar amargamente.

– Lágrimas de crocodilo. No bom sentido, o René é gente boa.

Esta é uma obra de ficção.

Leia mais sobre a história do logotipo da Lacoste neste link.

© Direitos Reservados

- Advertisement -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisement -

Últimas Notícias

Abertas as Inscrições para Rainha da Eapic

Abertas as Inscrições para Rainha da Eapic As inscrições para o concurso de escolha da Rainha, Princesa e Madrinha da...
- Advertisement -

Artigos Relacionados

- Advertisement -